.

sábado, 17 de maio de 2014

O amor não é exigência para a felicidade









A hipocrisia das conceituações do sentimento de amor faz da possibilidade em vivê-lo, muitas vezes, o contrário daquilo que as pessoas tanto procuram, levando-as ao mais intenso desespero, tal como, inocentes que estão lançados ao fundo das mais inóspitas prisões.  Assim, a escuridão, nada mais é, senão, a ausência que impomos a nós mesmos; o auto-abandono que estruturamos às nossas vidas por um dia acreditarmos que alguém seja o responsável em trazer o que somente nós podemos buscar.

Quantos são os que esperam que o padrão religioso do amor, ou mesmo, comercial, ou então, as meras convenções sociais, venham lhes trazer algo que é de plena responsabilidade pessoal. O amor é pessoal e intransferível. Não pode ser atribuído, a quem quer que seja, como uma responsabilidade a ser desempenhada pelo outro, como nas inúmeras sensações em nossos corpos. Isso não é amor, mas tesão e outras formas de estimulações, que logo mais, se não houver auto-estima e um Eu sempre pronto a reformular os capítulos de nossas histórias de vida, passarão, deixando para trás, apenas as lembranças que nos cobram, não apenas de nossas mentes, mas, de inúmeras pessoas. Lembranças daquilo que não mais existe, ou mesmo, do que está esquecido e fôra investido numa única vez, como se a existência fosse assim, tão limitada e terrivelmente miserável.

O que chamam de “amor”, nessa sociedade que nada é de moderna, ao contrário, um grande atraso, cheia de objetos que levam essas coisinhas de duas pernas, intitulados de seres humanos, a serem tão desumanos, é justamente as conceituações estabelecidas ao tesão mal elaborado, que mais cedo ou mais tarde, chamarão de “amor”. Por isso, os finais dessas histórias que começam elevadamente celebradas, e poucas vezes bem elaboradas, terminam em célebres enredos de tragédias e destruições.

Quantas são as pessoas que, pela ausência de si mesmas, ao permitirem-se anular em nome das exigências que satisfazem as expectativas de alguém, estão hoje lançadas aos estigmas, justamente, por terem frustrado aqueles que nunca encontraram-se?    

O amor não é exigência para a felicidade, ao contrário, existem pessoas que, em seus momentos de solidão, contemplam o regozijar-se do estar só, expondo o contentamento com o que são e com o que vivem, e assim, sabem muito bem que podem sempre ir muito mais além em suas vidas, sem a sujeição ao egoísmo, ou, ao adoecer coletivo dos que buscam sentimentos  nos outros sem que ao menos saibam o papel que os mesmos representam em suas próprias vidas.


Há casais que se destroem uns aos outros responsabilizando uma das partes pelas frustrações quanto às expectativas que transferem.
Há amizades que já nascem adoecidas por acreditar que uns completam os outros.

Estamos numa sociedade que está há séculos na “UTI”, padecendo pela inobservância quanto a grandiosidade da vida e, não pela limitação da mesma a uma bula repleta de contra-indicações que muitos fazem de conta desconhecer.

Aos poucos, compreendemos que não podemos corresponder às expectativas  de quem quer que seja, por mais que tenhamos  profundos níveis de convivência. Isso, não limita a felicidade que podemos viver, nem tampouco, a completitude que nos faz sentir prazer, mas, amplia nossa condição quanto à compreensão ao papel do amor em cada um de nós, desde que saibamos da importância desse sentimento que cultivamos.

Sou conhecedor da beleza existente nas mais belas flores, mas, não exercitarei o egoísmo próprio dos que adornam seus altares arrancando-as dos jardins, pois assim, meus olhos vêem e meus sentimentos se renovam, aprendendo que o amor não é o que tomamos como posse, mas o que consolidamos em nós mesmos, como um doce remanso para que compreendamos o grande valor e intenso prazer que há em existir.

Marcus Antonio Britto de Fleury Junior é psicólogo e um dos coordenadores do Ateliê de Inteligência.
ateliedeinteligencia@gmail.com

0 Comentários:

Postar um comentário

<< Home