.

sábado, 3 de dezembro de 2011

O que os filhos podem precisar...









Mais um ano se finda. Nele, mais e mais crianças, mesmo que não observemos, desenvolveram, no período transcorrido, conflitos emocionais que, se não conduzidos com atenção, irão, nos anos posteriores, comprometer, não apenas os processos cognitivos, mas, desencadear complexidades ansiogênicas que remeterão o estudante às complexidades próprias das alterações dos processos psicológicos. Sim, é hora em tratar as feridas, não as tornando um referencial de vida, mas, experiências que, acumuladas traduzam-se no contexto vivencial único e desprovido de duplicidade.
Bem canta e encanta o regionalista Almir Sater, quando em sua canção, nos faz lembrar que “cada um de nós compõe a sua história e cada ser em si carrega o dom de ser capaz e ser feliz...” Entretanto, há aqueles que, no decorrer de suas estradas, não compuseram o dom de serem felizes, mas, gritam por socorro em suas visíveis dores, medos, traumas e conflitos, ainda não socorridos.

Quantas são as crianças que estão dessa forma? Quantas não têm a mínima maturidade necessária para sequer resolver suas histórias e, ainda delas são exigidas que responsabilizem-se pelas imaturidades de adultos que dizem serem seus pais? Pais não transferem responsabilidades aos avós, tias, madrinhas, professores, escolas, nem tampouco, aos filhos. Todos são importantes e estruturam-se na interdependência do campo social, cada qual, estabelecendo suas contribuições, entretanto, a grande responsabilidade é sua, pai e mãe.

Aqui, não estamos aferindo se são bons ou não, apenas, lembrando das tarefas e responsabilidades que são próprias a cada um.

Então, caros pais, as férias não são apenas para o turismo, entretanto, um bom momento para que seus filhos consigam compreender o que lhes sucedeu no ano anterior, bem como, para que consigam se reestruturar em relação as possíveis perdas que tiveram, prevenindo assim, que a ansiedade não se torne um grande e difícil problema, mas algo que pode ser compreendido e resignificado, e com isso, resgatar a qualidade de vida e eficácia diante o desempenho daquilo que for próprio das etapas em que vivem.

É sugestivo que você chegue próximo ao seu filho ou filha e discuta com eles quais foram as dificuldades do ano que se passou, quais foram os melhores e os piores momentos, se alguns deles foram desencadeados por relações com colegas ou professores, se sentiram-se submetidos a situações constrangedoras(Bullying); se viram-se desamparados em relação a família e como foi isso?

Você pode e deve ajudar seu filho em relação ao controle da ansiedade. Para isso, é necessário que avalie se suas estratégias atuais como pais estão eficazes e, saibam sempre que, mudar é extremamente necessário e saudável para que as relações se aprimorem e estejam sempre prontas para novas etapas.

Nós pais, ao nos tornarmos inflexíveis, diante de um mundo extremamente dinâmico, com profundas e contínuas transformações, nos sujeitamos a ruptura em diversas partes, podendo, determinados fragmentos, fazerem falta na hora em recompormos as estruturas.

Quando valorizamos tais atenções preventivas em relação aos filhos, concedemos condições para que eles próprios saibam o que fazer em relação à ansiedade, pois, aprendem a pensar e não tornam-se inseguras em relação ao que necessitam enfrentar.
Desligue a TV por um tempo. Uma vez por semana, resgate a capacidade em sentir prazer em conversar com sua família, com seus filhos, permitindo que eles o conheçam e, ao mesmo tempo, você a eles.

Marcus Antonio Britto de Fleury Junior, Psicólogo e um dos coordenadores do Ateliê de Inteligência e do Programa preventivo e resignificativo, dirigido a crianças e adolescentes no cotidiano escolar e familiar.
ateliedeinteligencia@gmail.com

1 Comentários:

  • Mais uma matéria de rara felicidade.
    Me pergunto, não estaria havendo uma transferência de papéis? Face a um Estado que esvasiou a família e vê na tutela uma ferramenta a mais para manter o "status quo", não ocorre uma acomodação? O Autor coloca, com precisão, "o dedo na ferida"...
    É um festival de ausências e uma eterna cobrança de presenças!
    Parabéns! Muito bom mesmo.

    Por Blogger A.Coutinho araguaiacombr, às 3 de dezembro de 2011 06:20  

Postar um comentário

<< Home